Translate this Page
Ultimas Atualizações
HOME  (14-10-2018)
NOTÍCIAS  (14-10-2018)
ISSO É O CÚMULO  (13-10-2018)
IGREJA PERSEGUIDA  (13-10-2018)
ARQUEOLOGIA BÍBLICA  (13-10-2018)


MENSAGENS


MENSAGENS

                                              Mensagens do céu

                   Resultado de imagem para banners bíblicos evangélicas 

     Quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou,tem a vida                                               eterna. (João 5.24)                                                           

    A justiça de Deus no tempo certo 

Postado em 03/10/2018

              

Quando sofremos algum dano provocado por pessoas, seja ofensa, agressão ou prejuízo material, queremos que tais pessoas paguem pelos seus erros. Às vezes, estamos tão feridos que queremos fazer justiça com as próprias mãos.

Nós Poderemos agir erroneamente impulsionados pela raiva; e se não vemos que quem nos atacou não está sofrendo por suas ações, ficamos revoltados, desiludidos e acreditamos que não há justiça na terra.

Tenha certeza de que Deus lhe dará sua consolação, amor, paz e cura no devido tempo. É melhor se preocupar mais com o que Deus quer nos dar, do que o que qualquer outra pessoa pode nos oferecer ou tirar de nós. 

 

Deus tem muito tempo para agir e seu tempo não será o mesmo que o nosso, Ele não faz justiça apenas para que  as pessoas se arrependam, Ele também quer provocar mudanças em suas vidas. Sua justiça vai além dos estatutos terrestres.

Talvez você não seja capaz de testemunhar o que acontecerá com aqueles que te machucam, sua parte é perdoar e deixar com Deus. Ele irá agir de acordo com sua vontade perfeita.

Veja o que ele diz na sua Palavra:

"Porque o SENHOR é o nosso juiz, o SENHOR é o nosso legislador, o SENHOR é o nosso Rei; ele nos salvará."  (Isaías 33:22)

Lembre-se de que a justiça de Deus não será dada da maneira que você quiser ou no tempo que você espera. Somente Ele é justo e sabe como dar a cada um o que é devido.

Não perca tempo tentando fazer sua própria justiça, é melhor perdoar e deixar Deus dar o veredicto.

 

Adaptado de:    https://www.bibliatodo.com/Reflexiones-Cristianas/la-justicia-de-dios-en-el-tiempo-perfecto/ 

 


     Intimidade Com Deus em 7 Passos

Por Diego Nascimento

Publicado em 23/09/2018 

             

Intimidade com Deus é algo que toda a humanidade deve buscar, não é algo exclusivo de um grupo, ou povo. Deus ama a toda a humanidade e quer relacionar-se com ela. A distância que hoje existe entre nós e Deus foi criada pelo pecado, contudo o caminho de acesso a Ele foi criado em Jesus Cristo. 

Se você deseja uma intimidade com Deus, real e profunda aplique os 7 conselhos apresentados neste estudo bíblico e você viverá experiências profundas com o Espírito Santo.

Por que devemos desenvolver intimidade com Deus?

Essa é com certeza uma das perguntas mais importantes da vida. 

Por que se importar?

Que diferença faz?

Continue lendo esse artigo e encontre as respostas para essas perguntas.

Eu não deixaria de ler os 7 conselhos!

O Princípio

Após o SENHOR Deus criar todas as coisas a Bíblia diz, em Gênesis 3.8,9:

“Ao cair da tarde daquele dia ouviram a voz e os passos do SENHOR Deus que passeava pelo jardim, e esconderam-se entre as árvores. O SENHOR Deus chamou o homem: “Onde você está?””

Com isso três coisas ficam claras:

  • Deus quer estar perto do homem;
  • Se importa com o que o homem faz;
  • Está à procura do homem.

Foi o pecado de Adão e Eva que obrigou o SENHOR Deus a expulsá-los do Éden:

“Por isso o SENHOR Deus o expulsou do jardim do Éden, e o mandou cultivar a terra da qual tinha sido formado. Depois de ter expulsado o homem, colocou querubins a leste do jardim do Éden, os quais, com uma espada flamejante que se movia, guardavam o caminho de acesso à árvore da vida.” (Gênesis 3.23,24)

A partir daí vemos o ser humano cada vez mais longe do seu Criador e três coisas acontecem:

  • Caim mata seu irmão Abel (Gênesis 4.8);
  • “O SENHOR viu que a maldade humana foi ficando cada vez pior”. (Gênesis 6.5);
  • O SENHOR anuncia juízo sobre a Terra. (Gênesis 6.6,7)

A ideia de destruição vem a mente de Deus no momento em que a relação do homem para com Ele é praticamente inexistente. Seu coração fica triste. O plano original não deu certo. As escolhas da humanidade a distanciaram.

Noé o Homem Que Agradava a Deus #1 

Em meio à uma humanidade completamente pedida e escrava do pecado, alguém estava se comportando de forma diferente, Noé busca intimidade com Deus:

“Noé, porém, agradava ao SENHOR com a sua vida.” (Gênesis 6.8)

A vida de Noé pode ser resumida da seguinte forma (Gênesis 6.9,10):

  • “Ele era a única pessoa justa e íntegra na terra daquele tempo.”
  • “Ele conduzia a sua vida de acordo com a vontade de Deus.”
  • “Noé tinha três filhos: Sem, Cam e Jafé.”

Noé estava na contramão de sua geração. Ele se importava em ser correto diante de Deus. E era.  A“única pessoa justa e íntegra na terra daquele tempo”.

A geração de Noé não estava preocupada com a opinião do Senhor. Com sua direção. Ele era a única pessoa que “conduzia a sua vida de acordo com a vontade de Deus”.

Pecados na área da sexualidade como: adultério (relação sexual fora do casamento), fornicação (relação sexual sem ser casado), homossexualidade (relação sexual entre pessoas do mesmo sexo) era extremamente comum em seus dias.

Noé, contudo, era homem de família. Marido de uma só mulher. E educava corretamente os seus filhos.

Um outro juízo é anunciado pelo SENHOR:

“Deus disse a Noé: “Decidi acabar com todos os seres humanos, porque a terra está cheia de crime e de perversão por causa deles. Eu os destruirei juntamente com a terra.” (Gênesis 6.13)

A forma escolhida? O dilúvio.

Sobreviventes? Noé e sua família.

Com a vida de Noé aprendemos que intimidade com Deus é algo pessoal. Uma escolha que exige posicionamento e fé. Para desenvolver relacionamento com Deus precisaremos de muita força e coragem ´para suportar a oposição do pecado.

Abraão o Amigo de Deus #2 

Após longos anos sem se revelar a ninguém o SENHOR finalmente falou com Abrão, filho de Terá, em Ur dos caldeus. Dizendo:

““Deixa a sua terra, os seus parentes e a casa de seu pai, e vá para a terra que eu lhe mostrar”. Então Abrão partiu, como o SENHOR lhe havia ordenado.” (Gênesis 12.1,4)

A jornada de Abrão possui pelo menos três características:

  • Pai (primeiro) de uma grande nação;
  • Intimidade com Deus por meio do culto;
  • Relacionamento com Deus por meio das promessas;

“… o SENHOR apareceu a Abrão e disse: “Vou dar esta terra aos seus descendentes”. E Abrão construiu ali um altar para lembrar o aparecimento do SENHOR.”

“Depois saiu daquele lugar e prosseguiu em direção à região montanhosa a leste de Betel e ali montou seu acampamento, ficando Betel a oeste e Ai a leste. Ali edificou um altar ao SENHOR e orou a ele.”

Abrão é o primeiro da nação de Israel. O marco zero. Após o fracasso de Adão e a destruição do mundo com o dilúvio o Senhor Deus dá início ao estabelecimento de um povo separado para Ele.

Em sua peregrinação Abrão começa a estabelecer lugares de culto. A sua alma parece desejar estar perto de Deus, e ser o mais fiel possível ao chamado.

A expressão “Ali edificou um altar ao SENHOR e orou a ele.”, nos revela um Abrão crente. Só ora a Deus com altar erguido, quem crê.

Ele honra a Deus não apenas com altar e oração, mas também com oferta. Com parte de seus bens.

Ao encontrar-se com Melquisedeque, “sacerdote do Deus Altíssimo” (Gênesis 14.18), Abrão entrega odízimo de tudo quanto possuía.

O SENHOR prometeu a Abrão torná-lo pai de uma grande nação, mesmo sendo ele velho e Sarai idosa e estéril. Com o passar do tempo Abrão teme.

Então “o SENHOR falou a Abrão por meio de uma visão: “Abrão, não tenha medo! Eu sou o seu escudo. A sua recompensa será enorme!”. (Gênesis 15.1)

““Olhe para o céu e conte as estrelas, se puder”. E prosseguiu: “Assim será a sua descendência”. Abrão creu no SENHOR. E Deus considerou Abrão justo, por causa da sua fé.” (Gênesis 15.5,6)

Perceba que Deus considerou a fé de Abrão.

O SENHOR deseja ser crido. Quando não cremos o chamamos, indiretamente de “mentiroso”. Abrão creu na Palavra do Senhor. Isso o justificou.

Com a vida de Abraão, aprendemos que intimidade com Deus exige atitude. Para que o nosso relacionamento com Deus floresça, precisamos ser dedicados a ele. É necessário fé e devoção.

Desenvolvendo Intimidade Com Deus Em Meio a Dor #3

Abrão e Sarai tiveram seus nomes mudados. O SENHOR passou a chamá-los Abraão (Pai de multidões) e Sara (Princesa).

Eles geraram Isaque. Que gerou Jacó. Que se tornou Israel. Jacó gerou doze filhos que se tornaram as doze tribos de Israel.

Devido a fome que assolou toda a região de Canaã eles desceram ao Egito. Descobriram que seu irmão José, que foi covardemente vendido por eles, era o governador.

José libera perdão, e Israel, e todos os seus filhos são acolhidos nos Egito com suas famílias por muito anos.

Até que passou “o tempo, e morreram José, seus irmãos, e toda aquela geração… Nesse meio-tempo, um novo rei que não conhecia José subiu ao trono do Egito.” (Êxodo 1.6,8)

Israel passou a ser duramente assolado. Fazer trabalho escravo. Torturas. Fome. Opressão passaram a fazer parte de seu dia-a-dia.

No meio de sua loucura “o faraó ordenou a todo o seu povo: “Joguem no rio Nilo todos os meninos hebreus recém-nascidos. Só deixem viver as meninas”. (Êxodo 1.22)

Milhares de crianças hebreias foram mortas. Mães enlutadas. Pais desesperados. O povo de Israel clamava de dor, angústia.

“Depois de muito tempo, morreu o rei do Egito. Os israelitas estavam gemendo debaixo da terrível escravidão e clamaram a Deus. Deus ouviu o seu gemido e atentou para a aliança que tinha feito com Abraão, com Isaque e com Jacó. E Deus deu atenção aos sofrimentos dos israelitas.” (Êxodo 2.23-25)

Debaixo de tamanho sofrimento o povo de Deus clamou. E foi ouvido. O SENHOR lembrou de sua aliança com seus servos. Ele está atento à todas as circunstâncias de nossas vidas.

Com isso, eu aprendo que intimidade com Deus é algo que deve ser mantido o tempo todo. Em bons e maus momentos, ela nos leva a clamar a Deus. Na caminhada com Deus, a intimidade mantém a nossa esperança viva.

Moisés o Libertador #3 

No capítulo 3 de Êxodo o SENHOR fala com Moisés por meio de uma sarça e ordena que ele vá ao Egito e liberte Israel. Pela primeira vez desde a criação do mundo o SENHOR fala seu nome para um humano:

“…Se eles perguntarem: ‘Qual é o nome do seu Deus?’, o que vou dizer a eles?” Deus respondeu a Moisés: “Eu Sou o que Sou”. Disse ainda: “Assim você dirá aos filhos de Israel: ‘Eu Sou me enviou a vocês”.

O EU SOU foi adiante de Moisés no êxodo. O que vemos daí em diante é uma série de acontecimentos extraordinários:

  • As dez pragas; (Êxodo. 7,8 -10)
  • Coluna de nuvem e coluna de fogo; (Êxodo.13)
  • A travessia do Mar Vermelho; (Êxodo. 14)
  • Deus manda maná e carne no deserto; (Êxodo.16)
  • A fonte de água em Meribá; (Êxodo.17)
  • Os dez mandamentos; (Êxodo.20)

Anos após a saída do Egito o povo acumula inúmeros erros contra o SENHOR. Certo dia ela chama Moisés e diz:

“Vão para a terra que jorra leite e mel. Mas eu não irei com vocês, pois vocês são um povo rebelde, e eu poderia destruí-los no caminho”.

“Então Moisés disse: “Se a sua presença não for comigo, não nos mande sair deste lugar!” (Êxodo 33.3,15)

Percebemos que Moisés valorizava a comunhão, não os milagres de Deus, apenas. O SENHOR promete manter um Anjo diante deles que manteria a operação das maravilhas.

Mas este não era o foco de Moisés. “Se a sua presença não for comigo, não nos mande sair deste lugar!”. Que preciosa lição!

Vivemos dias em que as pessoas querem os milagres de Deus, só não preservam o relacionamento com Ele.

Ou seja, a intimidade com Deus exige de nós obediência. Se formos obedientes os milagres e a manifestação das maravilhas do Senhor, serão uma consequência. O relacionamento com Deus valoriza a presença dele.

Intimidade Com Deus – O Conceito Revolucionário #4 

Na oração chamada de “Pai Nosso” o Senhor Jesus introduz da seguinte forma: “Pai! Que o seu nome seja reverenciado pela sua santidade; venha o seu Reino.”” (Lucas 11.2)

“Pai!”. É assim que Jesus o chama. Jesus inaugura um novo conceito de intimidade com Deus. A relação paternal. Conforme escreveu o apóstolo Paulo:

“Agora todos nós, quer sejamos judeus, quer gentios, por causa daquilo que Cristo fez por nós, temos acesso ao Pai, pelo poder de um só Espírito. Agora vocês já não são mais estranhos a Deus nem forasteiros, mas sim membros da própria família de Deus e cidadãos que pertencem ao povo dele.” (Efésios 2.18,19)

Este trecho bíblico nos mostra que só podemos ter intimidade com Deus “por causa daquilo que Cristo fez por nós”. Ela nos torna conhecidos do Senhor. Jesus, nosso salvador nos torna “membros da própria família de Deus”.   

7 Conselhos Para Desenvolver Sua Intimidade Com Deus

Nos dias atuais existem muitos ensinos, doutrinas e denominações. Cada um apresenta o Reino de Deus da forma que crê. No entanto, nem sempre é a forma como a Bíblia ensina.

O que fazer para evitar armadilhas?

  • Conselho #1: Mantenha leitura diária regular das Escrituras, ao menos uma vez por dia;
  • Conselho #2: Tenha no mínimo uma boa Bíblia de estudo;
  • Conselho #3: Tenha pelo menos um momento de oração eficaz no seu dia. Determine um tempo maior que dez minutos;
  • Conselho #3: Separe alguns dias no mês para jejuar;
  • Conselho #4: Combata vícios carnais que roubam seu tempo com Deus;
  • Conselho #5: Priorize o Reino dos Céus;
  • Conselho #7: Procure uma boa congregação, onde a Palavra de Deus seja genuinamente anunciada.

Conclusão

Intimidade com Deus demanda no mínimo: tempo, conhecimento e empenho. Ela promove primeiramente uma mudança de caráter e comportamento.

O seu relacionamento com Deus não deve ser baseado primeiramente pelo que você sente, mas pelo que está escrito e você faz. A minha oração é que o Espírito de Deus nos ajude a viver sua vontade.

Em Deus você pode fazer muito mais do que imagina!

Fonte: https://www.jesuseabiblia.com 

 


Como entender a Bíblia Sagrada de forma mais fácil 

Postado em 10/09/2018

    Resultado de imagem para imagens de pessoa lendo a bíblia

Muitas pessoas sentem dificuldades para entender e compreenderem melhor os textos da Escritura Sagrada. Na verdade, sabemos que por mais culto que o homem seja, a verdadeira revelação da Palavra, é o Espírito Santo quem nos concede.

Para Deus falar conosco através de Sua Palavra, precisamos entender que para isso, precisamos estar com o coração disposto a ser mudado pelo poder que há nela, bem como, deixar o Espírito de Deus falar conosco enquanto a lemos.

 

Dentre o coração quebrantando e a disposição de ouvir a voz de Deus através da bíblia, existem fatores externos, que lhe auxiliarão num melhor proveito e interpretação de passagens bíblicas. Isto se dá ao fato, de muitas vezes determos uma tradução, onde verbos e algumas colocações verbo-nominais, podem trazer uma certa dificuldade em relação à leitura.

Veja abaixo, as 7 melhores dicas pra você entender melhor a bíblia

1- Oração

Todas as vezes antes de iniciar um estudo bíblico, ore antes e peça ao Espírito Santo que lhe revele e faça compreender a Sua Palavra.

2- Dicionário

Tenha sempre por perto um dicionário. Ele facilitará em muito a compreensão exata de textos e colocações verbais. Sublinhe e anote na sua bíblia, a tradução desta palavra.

3-  Ler com calma

Procure separar um tempo do seu dia para estudar a bíblia, e não somente lê-la. É melhor pegar um único capítulo para ler e estudar cada versículo, do que ler dez, e no final não lembrar de nada.

Isto lhe ajudará entender não só o texto, mas como também o contexto de toda àquela passagem que se propôs à estudar.

4- Referências e partes a,b,c…

Uma dica muito importante, é observar as partes contidas nos versículos na sua bíblia. São essas letrinhas que aparecem entre os textos (a,b,c,d…). Eles servem para separar as partes dos versículos, parte a, parte b.

Em muitas bíblias atuais, é possível observar os contextos destas “letrinhas”, na parte inferior, roda-pé da página. Conterá além de referências de outros textos, em bíblias de estudo, trará ainda o significado ou notas para te auxiliar na leitura.

5- Pedir ajuda

Peça ajuda à pessoas mais experientes do que você. Seu líder, pastor, professor de escola bíblica dominical ou amigos que estão há mais tempo servindo ao Senhor.

6- Escola Dominical

Não rejeite à escola dominical. Os temas de estudo das revistas e ensinamentos, estão separados de forma a lhe trazer um aprendizado riquíssimo da Palavra. Além, de ser um local de comunhão, onde poderás tirar suas dúvidas e compartilhar suas experiências com os demais irmãos.

 

Fonte: geracaobiblia 

 


O dia em que encontrei significado na vida

Por Greg Laurie in christianpost

Postado em 30/07/2018

                    Resultado de imagem para imagens de em Deus há significado para a vida 

Acho que todos nós temos perguntas que gostaríamos de fazer a Deus. Como seria maravilhoso sentar-se com uma xícara de café com Jesus e dizer: "Tenho algumas perguntas que gostaria de fazer ao Senhor".

Estamos todos procurando por algo na vida. Em uma idade muito jovem, comecei a perguntar: "Qual é o significado da vida?" Isso porque eu tinha que crescer rápido, sendo criado em uma casa de pessoas que consumiam bebidas alcoólicas, com uma mãe que estava ausente e realmente sem pai para conversar. Eu estava procurando por propósitos e significados em minha vida. Eu acretitava que deveria haver mais vida do que eu estava experimentando.

Quando menino, comecei a experimentar bebidas alcoólicas. Eu entrei na cena da festa. Eu comecei a ficar bêbado. E depois eu entrei nas drogas. Ouvi dizer que as drogas fariam você mais consciente, e era verdade. Eu tomei drogas e fiquei mais consciente de quão vazio eu estava.

Eu estava procurando uma razão pra viver.Eu não sabia o que eu era nesta terra. comecei a viver um processo de eliminação. Mesmo antes de me tornar cristão, eu percebi que viver bebendo era um beco sem saída , e a mesma coisa vale para as drogas. Alguns de meus amigos já estavam vendo suas vidas se enrolarem. Eu também vi esses efeitos em minha própria vida. "Se o que minha alma procura não está nessas coisas", pensei, "onde está?" Não era no mundo da riqueza que eu tinha visto minha mãe vivendo. Onde estava a resposta?

Eu costumava andar por aí em Newport Beach, tentando parecer durão com o cabelo preso nos olhos. Eu me lembro que eu via cristãos distribuindo seus livrinhos religiosos. Eu estava sempre pensando: "Venha e fale comigo". Eu queria falar com eles, mas eu era orgulhoso demais para pedir ajuda. Eles rapidamente empurravam um de seus folhetos em minha direção, e eu pegava e colocava no bolso como se não me importasse. Mas nunca joguei esses folhetos fora. Eu os levava para casa e colocava-os-os em uma gaveta que eu pensava como minha gaveta de Deus. Qualquer literatura de natureza religiosaera jogada naquela gaveta. Eu tinha literatura religiosa de todos os grupos imagináveis.

De vez em quando eu esvaziava a gaveta e sentava na minha cama, tentando entender tudo, imaginando como eu poderia encontrar o significado da vida.

Mas algo estava acontecendo no campus da minha escola. O trabalho de Deus estava já estava em andamento na minha vida. Um grupo de pessoas sinceras da minha escola estava seguindo a Cristo. Um dos meus amigos até me avisou: "Laurie, cuidado. Há muitos, neste campus, que ensinam coisas erradas  sobre Jesus".

"Oh certo", eu disse sarcasticamente. "Como se Greg Laurie se tornasse um louco por Jesus."

Eu descarteii esses cristãos. Eu pensava que eles eram loucos. Mas então havia uma garota muito fofa e vi um dos meus amigos conversando com ela. Eu nunca a havia conhecido antes, mas havia algo especial nela e queria conhecê-la. Então eu subi e esperei por uma pausa na conversa. Enquanto eles estavam conversando, olhei para os livros que ela estava carregando. Um deles tinha uma capa de couro preta, com uma fita saindo dela.

"Oh, não", pensei. "É uma Bíblia! Ela é uma louca de Jesus. Que desperdício! Uma menina perfeitamente fofa!" Mas eu disse olá para ela de qualquer maneira.

No dia seguinte, no almoço, pensei: "Onde está aquela garota louca de Jesus?" Comecei a andar pelo campus, e a encontrei sentada em círculo com seus amigos aberridos de Jesus, cantando suas músicas de Jesus.

Eu pensei: "Esses pobres, doentes, dementes. Basta olhar para eles!" E então algo me ocorreu - algo que eu nunca tinha considerado antes: e se eles estiverem certos? mas descartei aquele pensamento, imediatamente.

"Não tem como eles estarem certos", pensei. "Não há como você acreditar em Jesus e tê-lo em sua vida. Isso é ridículo. É ficção." Então o pensamento voltou. "Mas e se eles estiverem certos? Olhe para a sua vida. Olhe para a vida deles. Olhe para a diferença. E se for verdade?"

Então um cara se levantou para falar. Seu nome era Lonnie Frisbee. Ele parecia com Jesus, com uma barba cheia e longos cabelos na altura dos ombros, separados no meio. Ele começou a falar sobre Cristo e estava lendo a Bíblia. Eu não me lembro mais do que ele disse, mas havia uma coisa que ficou comigo: "Jesus disse: 'Você é por mim ou contra mim'".

Eu olhei em volta para os cristãos. Eu pensei: "Bem, eles são por Jesus. Isso significa que eu sou contra ele?" Eu não queria estar contra ele. Então ele disse que qualquer um poderia se levantar, caminhar para frente e orar para pedir a Jesus para entrar em sua vida.

Eu pensei: "Não tem como eu fazer isso". Cerca de um minuto depois, eu estava ali orando. Foi a última coisa que planejei fazer. Mas esse foi o dia em que encontrei o sentido da vida em Jesus Cristo.

Hoje, você também pode encontrar sentido na vida. A Bíblia não ensina que a resposta está dentro de você. A Bíblia ensina que o problema é que está dentro de você. É o nosso coração. A Bíblia diz: "O coração humano é o mais ilusório de todas as coisas e desesperadamente perverso. Quem confiaria nele?" (Jeremias 17: 9 NLT).

Então, se você está seguindo seu coração, tenha cuidado. Seu coração irá levá-lo para o lugar errado. Você precisa que seu coração seja mudado. O coração do problema é o problema do coração. Você precisa ter seu pecado perdoado, e então você pode encontrar o significado da vida que você tão desesperadamente procura.

Quando você entra em um relacionamento com Deus, descobre que está nesta terra para conhecer a Deus. Você está nesta terra para andar com Deus, ter um relacionamento com ele. Você está nesta terra para lhe render glória.

A vida cristã - seguir a Cristo - não é boba e chata. É a melhor vida que existe. Eu estive em ambos os lados. Eu experimentei o que este mundo tem a oferecer, e eu vi o vazio onde isso nos leva. Mas eu tenho andado com o Senhor por mais de 40 anos e todo dia é uma grande aventura.

Você pode começar tudo de novo. Você pode ter sua sede espiritual satisfeita se crer em Jesus Cristo. E então você encontrará o significado da vida. Isso pode acontecer com você hoje, e agora.

Não continue resistindo, procurando paz, amor e felicidade onde não existe."Eu sou o caminho, a verdade, e a vida", disse Jesus.

Postado com permissão de harvest.org

Greg Laurie, é pastor sênior da Harvest Christian Fellowship em Riverside, Califórnia e Harvest Orange County em Irvine, Califórnia, USA.

 

Fonte: https://www.christianpost.com/voice/the-day-i-found-meaning-in-life.html 

 


Tempo perdido é vida perdida: Cuidado para não perder sua vida!

vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios, remindo o tempo, porquanto os dias são maus”. (Efésios 5.15-16).

Postado em 05/07/2018

                          Resultado de imagem para imagens de versículos bíblicos sobre o tempo o tempo

"Nunca deveríamos perder tempo. Cada minuto conta, cada hora é valiosa." 

O conselho de um grande servo de Deus sobre o tempo.  Jonathan Edwards – fundador da Universidade de Yale –, escreveu sobre o tempo,[1] em dezembro de 1734. Seus pensamentos seguem, a seguir, resumidos. Ele coloca quatro razões por que o tempo é precioso:

  1. Porque é neste tempo que ajustamos nossa vida para a eternidade, com o Criador.
  2. Porque ele é curto. É uma comodidade escassa. Quando comparado não somente à eternidade, mas à própria história da humanidade, nossa vida é apenas uma pequena marca nela. (o que é a vossa vida?)
  3. Porque é impossível termos certeza de sua continuidade. Podemos perder a nossa vida repentinamente, por mais jovens que sejamos.
  4. Porque depois que ele passa não pode ser recuperado. Muitas coisas que temos, se perdidas, podem ser recuperadas, mas não o tempo perdido.

Por isso ele conclama aos seus leitores que reflitam sobre tempo que passou. Em como ele foi desperdiçado e que coisas poderiam ter sido realizadas. O que você fez com todos os anos e dias que você recebeu de Deus? Ele termina indicando que, em geral, não prestamos muita atenção à preciosidade do tempo. Não damos muito valor a isso. Edwards continua dizendo que essa valorização só vem tardiamente e pergunta: quanto poderíamos aproveitar se tivéssemos essa percepção aguçada o tempo todo? Ele indica várias formas de como perdemos tempo e desperdiçamos a vida:

  1. Muitos desperdiçam o tempo fazendo nada, acometidos de uma preguiça renitente.
  2. Outros desperdiçam o seu tempo em bebedeiras, em bares, abusando de seus corpos em atividades que lamentarão consideravelmente anos após, se sobreviverem aos próprios desmandos a que se submetem, angariando para si pobreza, em todos os sentidos...
  3. Alguns desperdiçam o tempo fazendo o que é mau, o que é reprovável, o que prejudica o próximo. Passam o tempo sugados pela dissolução moral, maquinando corrução, fraude; afundando-se na ilusão de que poderão levar vantagem em tudo.
  4. Por último, um grande número desperdiça o tempo e a vida tentando “ganhar o mundo”, progredir na carreira, avançar na vida, angariar mais e mais bens e coisas materiais, mas esquecidos das questões eternas e da nossa própria eternidade. Negligenciando as coisas de Deus, a nossa vida espiritual, a nossa necessidade de Salvação do pecado que nos rodeia e que está em nós, e que só é encontrada em Cristo Jesus.

Finalmente, Edwards nos relembra que todos nós teremos de prestar contas a Deus pelo tempo que recebemos dele. O que fizemos com ele? E, assim, conclama a que nos esforcemos para fazer cada segundo, minuto ou hora de nossas vidas, contar positivamente. Em vez de nos desencorajarmos pelo tempo perdido, ou ficarmos deprimidos por nossos desperdícios, aprendamos com os erros do passado, para darmos o rumo certo aos nossos passos futuros.

As palavras de Edwards não parecem ter sido escritas há 280 anos, não é mesmo? Na época dele não havia computador, nem baladas, nem raves, nem mídia social. O álcool já fazia os seus estragos, mas era a maior droga disponível (hoje temos drogas muito mais destrutivas do cérebro e da saúde em geral). No entanto, ele sabia bem o que era “perder tempo” e desperdiçar a vida. A natureza humana continua a mesma. Os alertas continuam válidos. Vamos parar de perder tempo e vamos cuidar bem da nossa vida, conscientes de nossos deveres para com Deus e para com os nossos semelhantes?

Resgatando o tempo. As pessoas falam muito sobre “falta de tempo”, “perder tempo”, “gastar tempo”, “passar o tempo”; mas você já ouviu falar de se resgatar o tempo? A primeira coisa a fazer é identificar quem ou o que está sequestrando o seu tempo e já colocamos uma boa relação de possibilidades. Você pode começar fazendo a sua própria relação – aquelas coisas que estão roubando o tempo de sua vida.

A expressão resgatar o tempo foi utilizada por uma pessoa que estava inocentemente presa, apenas pelas coisas que proclamava, e que sabia muito bem o valor do tempo e o quanto custava perdê-lo. Refiro-me ao apóstolo Paulo. Em uma das cartas que escreveu enquanto estava na prisão, ele disse: “[...] vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios, remindo o tempo, porquanto os dias são maus”. (Efésios 5.15-16).

A palavra “remir” significa exatamente “resgatar”; o sentido é o de “comprar de volta o que antes nos pertencia”. É a mesma ideia de alguém, uma pessoa, que é sequestrada: a família fica desesperada. A pessoa preciosa e querida foi roubada e agora estão pedindo dinheiro por ela! Assim é com o tempo! Ele é nosso, mas estamos rodeados de salteadores que o roubam de nós. Sequestro implica em refém. Vimos que tempo é vida. Se alguém ou algo sequestra o seu tempo, tem você como refém. Preste atenção à sua vida. Veja quais são os “ladrões” do seu tempo; o preço do resgate é a sua conscientização da importância do tempo, a coragem para tomar decisões importantes, a adoção de uma perspectiva de vida fundamentada na verdade, a percepção de que a vida não pode ser desperdiçada. Paulo considerava essa questão de entesourarmos o nosso tempo algo tão importante, que repetiu a mesma expressão em outra carta que escreveu da prisão aos Colossenses.

Você tem consciência disso? Cuidado para não estragar sua vida! Os dias são realmente maus! O sábio Salomão já alertava 1000 anos antes de Cristo, para que nos lembrássemos do nosso Criador nos dias da nossa mocidade (Eclesiastes 12.1). O alerta continua válido. Jesus Cristo é aquele que traz a mensagem do Criador. Por intermédio dele é que nos achegamos a Deus. Alicerçado nele, utilize bem o seu tempo, caminhe com segurança e com a certeza de que ele pode abençoar os seus passos e orientá-lo a uma vida proveitosa e plena, para você e para aqueles com quem você conviver.

 

Fonte: http://www.presbiterianafiladelfia.com.br 

Link: http://www.presbiterianafiladelfia.com.br/estudos-biblicos/estudos-atuais/582-tempo-perdido-cuidado-para-nao-estragar-sua-vida 

 


                                        Seguindo a Verdade 

Por Samir Machado

                           Resultado de imagem para imagens sobre seguir a verdade de deus 

“Por isso, deixando a mentira, fale cada um a verdade com o seu próximo, porque somos membros uns dos outros. Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo…” Ef. 4:25 e 4:15.

Quanto mais conhecemos a Deus, percebemos como Ele se agrada daqueles que crêem em Sua verdade! Hb.11:6 dirá que “sem fé é impossível agradá-lo”. Então o contrário disto também é verdadeiro. Deus se agrada daqueles que crêem n´Ele.

O texto acima diz sobre “seguir a verdade”. O que é exatamente a verdade?

Esta é fácil de responder. Jesus é a Verdade! Em Jo. 14:6 Ele mesmo diz: “Eu sou o Caminho, a VERDADE, e a Vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim”. E em Jo. 1:1 diz que Jesus é o VERBO de Deus, ou seja, a PALAVRA de Deus.

Então isto significa que:

VERDADE = JESUS
PALAVRA = JESUS

Concluímos então que a Palavra de Deus tem um objetivo: Nos mostrar Jesus que nos leva de volta ao Eterno Propósito de Deus, como nós já lemos em João 14:6.

Assim, compreendemos que a Palavra de Deus é o que sustenta todas as coisas! Tudo o que precisamos está na Palavra de Deus, porque é a voz do próprio Deus falando ao nosso coração! Se estamos nas mais diversas dificuldades, é na Palavra de Deus que encontraremos passos práticos para vencer às lutas. Se estamos desconsolados, na Palavra de Deus encontraremos consolo!

É necessário que em nós haja uma firme decisão como dito em Hb. 2:1: “Por esta razão, importa que nos apeguemos com mais firmeza às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos”.

Desta forma, estaremos agradando a Deus e vivendo de forma correta o Seu chamado para nossas vidas.

Por isso Abraão foi chamado o “pai da fé”. Porque “esperou contra a esperança” (Rm. 4:18.). Acabou tornando-se o “pai de muitas nações”.

Contra tudo isto, nos deparamos com a mentira. O que é a mentira então? A mentira é tudo que se opõe à Verdade, à Palavra de Deus!

Exemplo:

Se pecamos, confessamos e pedimos perdão, é certo que Deus nos perdoa! O que diz a palavra em 1ª Jo. 1:9? “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça”.

Porém, nem sempre a nossa consciência concorda com isto! Ela nos diz que pecamos e que Deus está muito irado conosco! Mas Deus não é assim. Deus repudia o pecado, mas não o pecador! E todo pecador arrependido, em Cristo Jesus é COMPLETAMENTE PERDOADO! Não é maravilhoso isto? E a isto chamamos GRAÇA! Obviamente que uma vez arrependidos, não devemos permanecer no pecado. Porém se no caminho houver algum tropeço, o Pai é sempre o primeiro a querer a nossa total restauração.

Não é uma questão de sentir! É uma questão de crer! Deus é quem assina embaixo! Se Ele disse que é assim, assim é!

E para crer mais e mais na Sua palavra, precisamos nos encher dela. Isto também tem um nome:RENOVAÇÃO DE MENTE! Significa que eu rejeito tudo o que a minha mente de velho homem diz, e começo a me apegar a toda verdade absoluta de Deus.

Deste modo, se assim procedermos, seremos aqueles que agradam a Deus! Que privilégio, não é verdade?

 

Fonte: Adorar.net Via http://vivos.com.br  

 


                                          Quanto vale a oração?

Por Délnia Bastos 

 Postado em 05/04/2018

                       

O autor da Carta aos Hebreus afirma que “durante os seus dias de vida na terra, Jesus ofereceu orações e súplicas, em alta voz e com lágrimas, àquele que o podia salvar da morte, sendo ouvido por causa da sua reverente submissão” (Hb 5.7). A nós, não custa lembrar: “Deus espera por nossas orações”.

O estudo bíblico de hoje foi desenvolvido a partir do artigo A Vida de Oração de Jesus, do pastor Elben César, publicado na edição 336 da revista Ultimato.

Texto básico:
Lucas 11.1-13

Textos de apoio
Mc 1.35-39
Lc 5.12-16
Lc 6.12-16
Lc 9.18, 28-36
Jo 17.1-26
Mt 26.36-46

Introdução
“Quanto vale a oração?” Para refletir nesta pergunta, vamos estudar o valor da oração na vida de Jesus. Se para ele, que era um com o Pai (Jo 10.30), a oração tinha profundo valor, quanto mais deve ter para nós! Os críticos dizem que a oração é válida porque é emocionalmente saudável para quem ora. Seria este o único valor da oração para Jesus? O autor da Carta aos Hebreus afirma: “Durante os seus dias de vida na terra, Jesus ofereceu orações e súplicas, em alta voz e com lágrimas, àquele que o podia salvar da morte, sendo ouvido por causa da sua reverente submissão” (Hb 5.7, NVI). Certamente que, para Jesus, a oração não somente proporcionava o benefício emocional, mas produzia efeito concreto em sua vida e na vida de outros. Deus o atendia, respondendo, de fato, às suas orações.

Para entender o que a Bíblia fala
a) O exemplo sempre vem primeiro. Porque viram Jesus orando, os discípulos pediram que ele os ensinasse a orar (Lc 11.1). Que assuntos devem ser abordados quando oramos, de acordo com a oração-modelo deixada por Jesus (Lc 11.2-4; cp. Mt 6.9-13)?

b) Logo a seguir, Jesus continua seu ensino sobre a oração contando uma instigante parábola (Lc 11.5-10). Como devemos interpretá-la? [Lembre-se de que Jesus também insistia em suas orações. No cenáculo, ele orou repetidas vezes por seus discípulos (Jo 17.9, 11, 15, 17, 20-21). No Getsêmani, fez o mesmíssimo pedido três vezes (Mt 26.44).]

c) Como os versos 9 e 10 de Lucas 11 explicam o sentido da parábola? (Recorra a mais de uma tradução para entender melhor o texto.)

d) Jesus termina seu ensino sobre a oração, comparando o pai terreno com o Pai celestial (Lc 11.11-13). Eugene Peterson contemporiza assim o texto: “Não barganhem com Deus. Sejam objetivos. Peçam aquilo de que estão precisando. Não estamos num jogo de gato e rato, nem de esconde-esconde. Se seu filho pedir pão, você o enganaria com serragem? Se pedir peixe, iria assustá-lo com uma cobra viva servida na bandeja? Maus como são, vocês não pensariam em algo assim, pois se portam com decência, pelo menos com seus filhos. Não acham, então, que o Pai que criou vocês com todo amor não dará o Espírito Santo quando pedirem?” Que exemplos podemos ver de boas e objetivas respostas de Deus aos pedidos de oração de Jesus? Consulte os textos de apoio.

Hora de Avançar
“Deus espera por nossas orações!”

Para pensar
Deus atendeu a oração de Jesus, antes de ele sair para pregar em outros lugares (Mc 1.35-39), depois da cura do leproso (Lc 5.15-16), antes de escolher os doze companheiros de ministério (Lc 6.12-13), durante a incrível experiência da transfiguração (Lc 9.28-29), antes de ensinar sobre a oração (Lc 11.1-2) e antes da agonia da cruz (Mt 26.39-44). Deus também ouviu a intercessão de Jesus por seus discípulos – tanto os contemporâneos dele quanto nós, que viemos a crer depois. Esta foi sua maior oração registrada, conhecida como “a oração sacerdotal de Jesus” (o capítulo inteiro de João 17). Finalmente, voltando ao texto de Hebreus (5.7), Deus não o livrou de passar pela morte, mas o ressuscitou em corpo glorioso, o que foi uma resposta de oração incomparavelmente mais poderosa e sublime.

O que disseram
“Não se aflijam com nada; ao invés disso, orem a respeito de tudo; contem a Deus as necessidades de vocês, e não se esqueçam de agradecer-lhe suas respostas. Se fizerem isto, vocês terão experiência do que é a paz de Deus, que é muito mais maravilhosa do que a mente humana pode compreender. Sua paz conservará a mente e o coração de vocês na calma e tranquilidade, à medida que vocês confiam em Cristo Jesus.” (Fp 4.5-7, BV.)

“A oração produz resultados psicológicos (paz de espírito, tranquilidade), espirituais (maior sentido de vida) e concretos (atendimento real do pedido feito).” (Elben César, em Práticas Devocionais)

Para responder
> Para você, quanto vale a oração? Quais os benefícios desta prática em sua vida?

> Como você seguirá o exemplo de Jesus como alguém que sempre praticava a oração?

> Em relação ao seu tempo e à sua agenda, que decisões você tomará hoje para colocar isso em prática?

> Compartilhe com um amigo ou com o grupo uma resposta concreta de Deus a algum pedido de oração específico que você tenha feito.

Eu e Deus
“Bem cedinho, de manhã, faço a minha oração. Tu, Senhor ouves a minha voz. Faço a minha oração e fico esperando, vigiando com atenção para descobrir a tua resposta.” (Sl 5.3.)

 

Fonte: ultimato   

 



              O verdadeiro significado da Páscoa

Postado em 28/03/2018

                                   Resultado de imagem para imagens evangélicas sobre a páscoa

A origem da celebração da Páscoa está na história judaica relatada na Bíblia, no livro chamado “Êxodo”. Êxodo significa saída, e é exatamente a saída dos judeus do Egito que esse livro relata.

Quando Ramsés II, rei do Egito, subiu ao trono, apavorou-se com o crescimento do povo de Israel, achando que esse crescimento colocava em risco o seu poder. Essa preocupação, deu início a uma série de ordens e obras que levaram os judeus a um período de grande sofrimento.

A Bíblia nos ensina que Deus, vendo o que se passava com seu povo, escolheu Moisés para tirá-los dessa situação, dando a ele os poderes necessários para o cumprimento da missão. Na semana em que o povo de Israel iniciou sua jornada para sair do Egito, Deus ordenou que comessem ervas amargas, pão sem fermento e sacrificassem um cordeiro por família.

Essa celebração recebeu o nome de Pessach, que em judaico significa passagem, nesse caso da escravidão à liberdade. Daí surgiu a palavra Páscoa.

Jesus Cristo deu novo significado à Páscoa. Ele trouxe a mensagem da salvação, amor, reconciliação entre o homem e Deus, esperança de uma vida melhor, trouxe o ensinamento para que o povo se libertasse dos sofrimentos e das maldades praticadas naquela época.

A morte de Jesus Cristo representa o fim dos sofrimentos e a vitória sobre a morte e o pecado. A sua ressurreição simboliza o início de uma vida nova, baseada na vontade de Deus.

Jesus Cristo é a nossa Páscoa, pois como cordeiro foi morto e todo aquele que aceita a morte e ressurreição de Jesus Cristo passa da morte para a vida, das trevas para a luz. A celebração da Páscoa representa uma oportunidade de fazermos uma retrospectiva em nossas vidas, e estabelecermos um ponto de recomeço, de sermos melhores, de sairmos do “Egito”, que simboliza sofrimento, tristezas e opressão e entrarmos numa nova vida de paz e alegria através de Jesus Cristo.

 

 Fonte: https://adquartaparada.org 

 


Com Deus você vencerá o medo e o desânimo

Postado em 28/03/2018

                        Resultado de imagem para imagens de salmo 27:14

Quando lemos na Bíblia a história de Gideão no livro dos Juízes capítulo 6 vemos um triste relato dos constantes roubos que os judeus sofriam de seus rivais, o povo Midianita.

Neste cenário vemos Gideão que, com uma mescla de medo e coragem, sai de sua casa e vai escondido malhar o trigo no lagar, onde se moem as uvas para fazer o vinho. Neste instante aparece-lhe o Anjo do Senhor e diz a seguinte frase: ” Deus é contigo homem valoroso!”. No decorrer deste relato vemos Deus levantando Gideão para liderar um pequeno exército de apenas 300 homens, que venceram mais de 120 mil homens e libertaram seu povo da opressão.

Quando leio este trecho da Bíblia vejo que Deus não olha nossas limitações, falhas ou até mesmo nosso medo como empecilhos para a realização da obra que Ele tem a fazer em e através de nossas vidas.

Pode ser que nestes últimos dias você venha se sentindo um perdedor, fazendo com que uma série de dúvidas e medos dominem seu coração ao ponto de trazer desânimo, falta de fé ou até mesmo depressão.

Quero lhe dizer que Deus te ama e tem sua vida por preciosa. Quando Ele te olha dos altos céus enxerga um potencial tremendo em você! Deus conhece todas as suas limitações, falhas, pecados, etc., e foi justamente por isso que Ele enviou seu único filho, Jesus, para morrer na cruz do Calvário para libertar a humanidade da escravidão do pecado e trazer salvação, vida e paz para todo aquele que n’Ele crer.

Deus não desistiu da humanidade, Deus não desistiu de você! Não desista também, não pare de lutar! Não deixe o desânimo e desespero tomar conta de sua vida, busque hoje mesmo socorro no Senhor. Ele tem todo o poder para restaurar sua vida, não há causa perdida, não há causa impossível para Deus!

Convide Jesus para fazer morada em seu coração e seja fortalecido para lutar contra toda opressão do Inimigo que constantemente busca oportunidade para saquear em diversas áreas de nossa vida.

Lembre-se que Gideão foi usado por Deus e teve sua vida transformada porque ele ouviu e obedeceu o chamado de Deus.  Não endureça seu coração, busque hoje mesmo ao Senhor porque Ele te espera!

 

 Fonte: https://adquartaparada.org 

 


 É o fim de tudo ou uma oportunidade de recomeçar?

Por Ciro Sanches Zibordi

Postado em 28/03/2018

                            Fim ou recomeco 

No princípio, Deus criou o mundo e pôs nele o homem, e este o decepcionou. O que aconteceu? Bem, a vida no jardim do Éden perdeu o sentido. Fim? The End, como outrora terminavam os filmes de Hollywood? Não! Simplesmente, um recomeço.

O Criador vestiu Adão e Eva de peles e estabeleceu novas metas para a humanidade. Enfim, o que passou, passou. O fim do período da Inocência deu início ao da Consciência. E mais uma vez o homem decepcionou a Deus. Os “filhos de Deus”, descendentes de Sete — filho de Adão —, se misturaram aos pecadores, e a Terra ficou cheia de violência e materialismo. Veio, então, o Dilúvio. Fim? Não. Recomeço. Deus preservou Noé e sua família, para com eles estabelecer um novo pacto e um novo período, o do Governo Humano, por assim dizer.

Mais uma vez, os homens fracassaram, ao tentar construir uma cidade, com uma grande torre, para glória própria, esquecendo-se de que toda a glória pertence ao Criador (Is 42.8). O que fez Ele, pôs fim a tudo? Não! Frustrou aquele mau intento, a fim de que houvesse um novo começo para os homens. Mas não pense que Deus estava tentando ajudar o ser humano sem saber o que aconteceria. Quando o pecado entrou no mundo, o Senhor já tinha um plano estabelecido — tanto que Jesus Cristo é o “Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo” (Ap 13.8); isto é, todos os cordeiros mortos desde a criação do mundo tipificam o Cordeiro de Deus (Jo 1.29). Os fins e recomeços são oportunidades para a humanidade se reencontrar e entender os propósitos do Criador.

Bem, o chamado Governo Humano não deu certo, e a Torre de Babel caiu. Como diz a Palavra de Deus, “Do homem são as preparações do coração, mas do Senhor é a resposta da boca” (Pv 16.1). Quando fazemos planos e eles desmoronam, isso não significa o fim. Deus, naquela ocasião, espalhou as pessoas, para um novo começo: o período Patriarcal.

O Senhor fez alianças com Abraão, Isaque e Jacó, e nasceram aqueles que formariam as doze tribos de Israel, mas o livro dos começos, o Gênesis, terminaria de modo aparentemente trágico: “E morreu José da idade de cento e dez anos; e o embalsamaram, e o puseram num caixão no Egito” (Gn 50.26). Que ironia! O livro que começa com uma frase cheia de vida “No princípio, criou Deus os céus e a terra” termina com morte, embalsamamento e caixão, palavras que gostaríamos de riscar do vocabulário!

Mas não podemos nos esquecer de que cremos no Doador da vida! E de que a morte, para os seus servos, é um recomeço, em outra dimensão, a celestial! Nem a morte pode nos separar do amor de Deus (Rm 8.38,39).

Começa, então, o período da Lei, com a saída dos filhos de Israel do Egito — liderados por Moisés —, que não eram mais uma família, mas um grande povo. Esse período duraria até a plenitude dos tempos, quando Deus enviaria seu Filho, “nascido de mulher, nascido sob a lei, para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos” (Gl 4.4,5). No decurso desse período, entre os livros de Êxodo e Malaquias, houve vários fins e recomeços. E, como a humanidade não foi capaz de retomar o rumo segundo a vontade de Deus, mais um período teria de acabar, como lemos em João 1.17: “a lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo”.

Cristo, o Deus-Homem, o verdadeiro Deus encarnado (Jo 1.1,14; 1 Tm 3.16), dá início ao período da Graça. Mas somente a sua encarnação não seria suficiente. Teria Ele de passar pelas angústias humanas. O véu precisaria ser rasgado. E não estou falando do véu do Templo, partido em dois para “dizer” que o caminho para a salvação está aberto. Para isso acontecer, um outro véu teria de ser rasgado: o corpo de nosso Senhor (Hb 10.20).

Jesus nasceu, viveu e morreu. Fim? Bem, se a sua morte fosse o fim, estaríamos perdidos. Mas… Ah, como eu gosto desta palavrinha! Às vezes, até usamo-la de modo inconveniente, para criticar alguém: “Gosto de fulano, mas…” Contudo, veja como ela se encaixa como uma luva em 1 Coríntios 15.17-20. Leia esta passagem agora, em voz alta, por favor. Glória a Deus! Se Jesus não tivesse ressuscitado, a nossa fé seria vã e estaríamos perdidos. Mas Cristo ressuscitou!

Que recomeço maravilhoso e triunfante, não acha? Imagine a alegria das mulheres que foram visitar o corpo de Jesus, e encontraram a pedra revolvida e o túmulo vazio (Mc 16.1-4). Que recomeço para elas, que já não tinham esperanças! Você pode escolher ao passar por uma decepção ou tragédia uma das duas palavrinhas de três letras: “fim” ou “mas”.

É possível que você esteja enfrentando grandes angústias agora. Há, quem sabe, muitas decepções em seu coração: a perda de um ente querido em uma tragédia, a interrupção de uma gravidez, um sonho não realizado, uma enfermidade, o fim de um relacionamento… Bem, você tem a oportunidade de deixar para trás as frustrações e começar uma nova fase da vida com alegria e satisfação.

O fim não é um fim em si mesmo. Lembre-se de que sempre haverá um “mas”. O que seria de nós se alguns versículos terminassem antes dessa palavrinha? Imagine se Romanos 6.23 terminasse assim: “o salário do pecado é a morte”. Mas há um complemento animador: “o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus, nosso Senhor”. Temos dificuldades e aflições, mas o Senhor é o nosso Pastor! O Inimigo se levanta contra nós, mas maior é Aquele que está conosco! Os nossos corações nos condenam, mas maior é Ele do que os nossos corações!

Você pode ter enfrentado uma grande dificuldade, frustrações e decepções;mas tudo isso acabará, se você tiver esperança, e uma nova fase de vitórias terá início, pois cremos que o fim traz um grande recomeço para aqueles que depositam a sua esperança em Jesus Cristo!

O mundo está em guerra. O Brasil, dominado pela corrupção. O profeta Miqueias vivia dias semelhantes aos nossos (Mq 7.1-6). Contudo, havia um “mas”, um “porém”. Qual? A sua certeza em um recomeço em Deus estava inabalável, e ele exclamou: “Eu, porém, esperarei no Senhor; esperei no Deus da minha salvação: o meu Deus me ouvirá” (Mq 7.7). Pessoas especiais morreram, porém Cristo está vivo e consola o seu coração. O ano pode não estar sendo bom para você… “Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou” (Rm 8.37). Recomece!

 

 Fonte: https://adquartaparada.org 



              Ser Feliz de Verdade

Postado em 12/03/2018

       

Muitas situações em nosso dia-a-dia podem nos causar o sentimento de felicidade. 
Por exemplo: uma viagem de férias, quando você  encontra a sua outra metade, quando adquire alguma coisa que você tanto desejava, ou até mesmo quando recebe um elogio inesperado! Mas, temos que concordar que são situações passageiras e pontuais, que podem até ser esquecidas, em algum momento.

Mas então, apesar dos momentos felizes que vivemos serem passageiros, como podemos viver felizes em todo tempo?

A resposta é simples: temos que encontrar a verdadeira felicidade! A essência dela!

A nossa felicidade não deve estar baseada nas coisas que vivemos hoje e nesse mundo, mas deve transcender o tempo e o espaço. E adivinha onde podemos encontrá-la?

Se você pensou que a resposta está em DEUS, acertou!

Em Deus temos incontáveis motivos para sentirmos uma plena felicidade, mas agora irei citar apenas três, para começar:

  1. SALVAÇÃO

Sabemos que o salário do pecado é a morte e que o dom de Deus é a vida eterna em Jesus (Rm 6:23), e esse motivo é muito suficiente para nos alegrar! Somente em Cristo estamos assegurados em uma vida eterna após a morte, glorificando a Deus, e vivendo sem dor, sem choro e sem preocupações. Mas isso só nos será possível se aceitarmos a Jesus e ao seu sacrifício de amor, pois Ele morreu por nós ainda pecadores (Rm 5:8) e enganados, perdidos e sem o perdão dos pecados, o que tanto necessitamos. A Redenção a Jesus é a chave para a salvação, para o Reino dos Céus (Cl 1:13-14). Não deixe que seu coração mude de rota! Permaneça sendo esquadrinhado, sondado e endireitado por Deus!

  1. TRANSFORMAÇÃO

Se antes não podíamos nos achegar a Deus (Is 59:3), pela Graça que há em Jesus, somos Seus Filhos (Jo 1:12).

A Palavra de Deus nos serve de parâmetro para saber senos parecemos com Jesus e. Junto com o Espírito Santo de Deus, que convence do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16:7-5), e da igreja, que serve de paoio, somos transformados em glória em glória.

  1. CUIDADO

Temos que lançar sobre Deus todas as nossas preocupações! Ele cuida e permanece cuidando de nós! (1 Pe 5:7)

Comida, bebida e vestes não devem ocupar a nossa mente! Quando focamos em buscar o Reino de Deus e a Sua justiça, tudo quanto precisamos nos será dado por Deus, em Cristo Jesus (Mt 6:25-26 / Fp 4:19).

Todo e qualquer vazio presente em nossas vidas é preenchido pelo Deus que nos criou e nos conhece desde quando estávamos em formação, dentro de nossa mãe!

Então

  • CONFIE que o melhor caminho é Cristo! Que fugir dos ‘moldes’ desse mundo e ter a sua mente transformada te fará experimentar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus (Rm 12:2).
     
  • OBEDEÇA a Palavra! Descansar, esperar e ouvir a Deus fará seus caminhos prosperarem!

Feliz é aquele que confia no Senhor! (Pv 16:20b)

 

Fonte: http://www.pregadoresdotelhado.org.br 

 


                  A vida com Jesus 

Postado em 12/03/2018

         

O capítulo 4 da 2ª carta de Paulo aos Coríntios nos descreve a sensação de servir a Deus, buscando o aperfeiçoamento do Espírito Santo para conseguirmos cumprir a obra que nos foi dada. Basicamente, todos são chamados a amar a Deus acima de tudo, a amar ao próximo com a mesma intensidade que ama a si mesmo e cumprir a missão de ir e pregar o Evangelho.

Faz parte da nossa missão levar a Luz da Palavra de Deus para curar a cegueira de entendimento existente nesse mundo (vers.3-4). A nossa bandeira é Cristo e somos servos por amor a Ele, que é o Caminho, a Verdade e a Vida (vers.4).

Quando sabemos que a glória e a origem de tudo quanto é feito devem ser atribuídas a Ele (vers. 5-6), nos vemos como vasos moldados nas mãos de Deus. Nos diminuímos para que Ele cresça!

O capítulo também nos alerta sobre as dificuldades no caminho.

Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados.
Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos;
Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos;
E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na nossa carne mortal.
2 Coríntios 4:8-11

A morte pode nos perseguir, tanto a física como a espiritual. Se nos deixarmos dominar pelo desânimo, impaciência, cansaço, dores e dificuldades, seremos abatidos, viveremos angustiados, nos sentiremos desamparados e nos veremos destruídos pelos intentos do inimigo das nossas almas, o qual veio senão para (nos) roubar, matar e destruir.

O diabo vai tentar colocar em nossa mente que o fardo é muito grande, exaustivo, pesado demais, a ponto de parecer insuportável! Mas não se deixe abater! O Reino de Deus é tomado à força, então combata toda seta, toda dificuldade, toda perseguição e todo mal dentro e fora de você com a força que vem de Deus, da alegria Dele! Foque naquilo que você não vê (as promessas, as futuras realizações)! Tenha visão (vers. 18)!

Creia que seremos supridos, que aprenderemos a viver além das circunstâncias (Fp 4:13) e que viveremos a vida abundante que Jesus conquistou a todos nós!

 

Fonte: http://www.pregadoresdotelhado.org.br 

 


            O que significa seguir a jesus

Por Mike McKinley

Postado em 08/03/2018

                                 Resultado de imagem para imagens sobre seguir jesus 

Seguir a Jesus requer pagar um preço. Não podemos servir a Jesus e a nosso dinheiro, portanto quando as imposições de ambos entram em conflito, é aí que vemos a quem realmente servimos. Precisamos estar dispostos a abandonar nossa riqueza caso Jesus peça isso de nós.

A maior parte das multidões que seguiram a Jesus durante seu ministério terreno não tinha a menor ideia que esse seguir exigiria um sacrificar de tudo. Para a maioria, Jesus era um operador de milagres e um mestre. Se você estivesse atrás de sabedoria, cura e pão e peixe de graça, Jesus era quem você escolheria seguir.

Mas Jesus queria se certificar que eles sabiam o que ele pedia deles. Ele preferia que eles não o seguissem, do que o seguissem com falsas pretensões. Por isso lemos no evangelho escrito por Lucas: “Grandes multidões o acompanhavam, e Ele, voltando-se, lhes disse: Se alguém vem a mim e não aborrece a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs e ainda a sua própria vida, não pode ser meu discípulo. E qualquer que não tomar a sua cruz e vier após mim não pode ser meu discípulo” (Lucas 14.25-33).

Eis as claras condições para o discipulado. Para ser cristão, é necessário é preciso literalmente estar disposto a morrer. É preciso considerar a Jesus mais importante que seus próprios pais, irmãos e filhos – é isso que Jesus quer dizer com o termo “aborrecer”. Vamos destrinchar essas palavras um pouquinho mais.

Primeiro, repare a quem Ele está se dirigindo, seu público-alvo: “Se alguém vem a mim”. Isto não é uma convocação feita apenas aos super-cristãos. Ele não está se referindo a mártires e apóstolos. Ele está falando a todo aquele que almeja ser cristão. E se você deseja ser cristão, isso tem de ser verdade a seu respeito. Essa é a experiência normal do discípulo de Jesus.

Segundo, considere o que você precisa fazer. É preciso negar-se a si mesmo. O que isto significa? Bem, normalmente pensamos em negar-se a si mesmo em termos de nos refrearmos em termos de luxo. Se desejo perder peso, preciso me refrear da sobremesa. Se quiser ficar dentro do orçamento, preciso me refrear de fazer alguma compra frívola. Mas Jesus quer dizer mais que isso. Veja como John Stott descreve isto:

Negar-se a si mesmo é comportar-se para consigo mesmo como Pedro fez para com Jesus, quando o negou três vezes. O verbo é o mesmo (aparneomai). Ele o renegou, repudiou, voltou as costas para Ele. Abnegação não é negarmos a nós mesmos luxos como chocolate, tortas, cigarros e cocktails (embora possa incluir isso); trata-se de, na realidade, negarmos, repudiarmos a nós mesmos, renunciando a nosso suposto direito de seguir nosso próprio caminho. Negar-se a si mesmo é voltar se da idolatria do egocentrismo.

Você percebe porque não pode seguir a Jesus sem negar-se a si mesmo? Alguém tem que dar as ordens na sua vida. Ou será você ou será Jesus. Não há como reivindicar estar servindo a Jesus sem estar negando a você mesmo.

 

Fonte: https://www.sibgoiania.org  

 

 

 


                             Vivendo sem Medo

Por Pr. Aldenir Araújo

Postado em 07/03/2018

                       

O medo é algo que todas as pessoas experimentam. Mas, antes de tudo, é preciso ter consciência de ele pode ser uma coisa boa ou ruim. Toda semana quando me dirijo para pregar, sinto um pouco de medo. Todos nós conhecemos este sentimento. Poderíamos chamá-lo de ansiedade. Poderíamos chamá-lo de ter borboletas no nosso estômago. O bom medo faz você ficar em alerta. E esta alerta nos ajuda a não ser displicentes. Esse medo pequeno que experimento antes de pregar serve para humilhar-me e lembrar-me que minha pregação não é sobre mim. Ela é sobre Jesus Cristo, o Senhor!

O medo também pode ser uma coisa ruim. Ele pode nos paralisar. Pode consumir nossas vidas. É sobre o lado ruim do medo, que quero tratar aqui.
No contexto de Números 14 Moisés conduzia os israelitas tirando-os do Egito.
Eles haviam chegado à Terra Prometida. Em Números 13, Moisés envia um pequeno grupo de homens para espiar a terra. Eles voltaram e deram o seu relatório a Moisés e a todo o povo. Falaram da beleza da terra, mas também que a terra estava cheia de gigantes. (Números 13:26-33). Josué e Calebe foram os únicos dos doze espiões que não deixou o medo oprimi-los. Os israelitas não podiam ver como era possível para eles tomar a terra de um povo tão forte. Isso nos leva a Números 14:1-4. Você pode achar interessante, mas as palavras "medo", "pavor" ou "fobia" não são encontrados nestes versos. Mas podemos ver claramente que o problema das pessoas foi o "medo". Na verdade, a última parte do v.9 nos diz: "Não tenhais medo deles."Eu quero pregar nesta noite sobre; quatro perigos do medo.

Notemos primeiro que...

 

I. O medo nos faz olhar para trás ao invés de avançar. Números 14:2-4

-"E todos os filhos de Israel murmuraram contra Moisés e contra Arão; e toda a congregação lhe disse: Ah! Se morrêramos na terra do Egito! Ou, ah! Se morrêramos neste deserto! E por que nos traz o Senhor a esta terra, para cairmos à espada, e para que nossas mulheres enossas crianças sejam por presa? Não nos seria melhor, voltarmos ao Egito? E diziam uns aos outros: Levantemos um capitão, e voltemos ao Egito." 
A. Uma fé vacilante. O povo estava tão assustado que queriam voltar ao Egito. Eles queriam voltar ao cativeiro, em vez de tomar posse da terra que Deus lhes havia prometido. Os israelitas tinham experimentado o medo antes. Não era algo novo para eles. Eles haviam estado no cativeiro; como escravos no Egito durante 400 anos. Todos sabiam o que era a escravidão. Eles não eram guerreiros treinados. Em Êxodo 14:5-14 eles enfrentaram uma situação parecida com esta. Está escrito assim: "Sendo, pois, anunciado ao rei do Egito que o povo fugia, mudou-se o coração de Faraó e dos seus servos contra o povo, e disseram: Por que fizemos isso, havendo deixado ir a Israel, para que não nos sirva? E aprontou o seu carro, e tomou consigo o seu povo; e tomou seiscentos carros escolhidos, e todos os carros do Egito, e os capitães sobre cada um deles. Porque o Senhor endureceu o coração de Faraó, rei do Egito, para que perseguisse os filhos de Israel; porém os filhos de Israel saíram com alta mão. E os egípcios perseguiram-nos, todos os cavalos e carros de Faraó, e os seus cavaleiros, e o seu exército e os alcançaram acampados junto ao mar, ao lado de Pi-Hairote, diante de Baal-Zefom. E, chegando Faraó, os filhos de Israel levantaram seus olhos, e eis que os egípcios vinham atrás deles, e eles tiveram muito medo; então, os filhos de Israel clamaram ao Senhor.E disseram a Moisés: Não havia sepulcros no Egito, para nos tirares de lá, para que morramos neste deserto? Por que nos fizeste isto, que nos tens tirado do Egito? Não é esta a palavra que te temos falado no Egito, dizendo: Deixa-nos, que sirvamos aos egípcios? Pois que melhor nos fora servir aos egípcios do que morrermos no deserto. Moisés, porém, disse ao povo: Não temais, estais quietos e vede o livramento do Senhor, que hoje vos fará; porque aos egípcios,que hoje vistes, nunca mais vereis para sempre. O SENHOR pelejará por vós, e vos calareis".Faraó tinha acabado de deixá-los ir. Mas depois ele mudou de idéia e começou a persegui-los. 
Quando o povo viu os egípcios que vinham após eles, disseram a Moisés para deixá-los sozinhos e deixá-los retornar ao Egito. Mas Deus estava prestes a mostrar a eles o Seu grande poder. Deus disse a Moisés para levantar sua equipe e estender a sua mão. Moisés obedeceu, e o Mar Vermelho se abriu e os israelitas atravessaram sobre a terra seca. Agora, em Números 14, as pessoas estão à beira da terra prometida. Eles estavam na borda das bênçãos que Deus os havia prometido. Mas então a sua fé começa a vacilar e começam a agir como fizeram quando deixaram o Egito. Amigo, se você permitir que o medo te controle, ele o levará a recuar em vez de avançar. 
B. Um foco errado. Em vez de olhar para frente às pessoas estão olhando para trás. Aqui as pessoas estavam face a face com seu futuro; eles estão prestes a ver Deus dar-lhes a recompensa que tanto sonharam; e tudo o que eles pensam é no passado. Às vezes nós permitimos que algo ruim que aconteceu no nosso passado nos impeça de avançar para o nosso futuro. Pode ser um relacionamento ruim, uma dor profunda, ou uma perda dolorosa. Se nós continuarmos com o foco no nosso passado, nunca seremos capazes de avançar em nossas vidas. Paulo nos dá alguns conselhos em Filipenses 3:13-14, onde ele nos diz que devemos: "Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus”. 
Os israelitas em Números 14 estavam olhando para a recompensa de Deus e não podiam avançar por causa do medo. Amado você pode imaginar isso? O medo pode nos levar a ter o foco errado, nós olhamos para trás, em vez avançar.

O MEDO NOS FAZ OLHAR PARA TRÁS AO INVÉS DE AVANÇAR. Mas também...

II. O medo nos faz viver em condição ou estado de limitação

A. Ele pode nos fazer esquecer do poder de Deus. O povo tinha visto as pragas que Deus enviou ao Egito. Eles tinham visto Deus abrir o Mar Vermelho para que pudessem passar sobre terra seca. Eles tinham sido guiados por uma coluna de nuvem durante o dia e uma coluna de fogo durante a noite. Faz lembrar o que Deus fez por eles registrado para nós em Êxodo 17? Os israelitas estavam em guerra com os amalequitas. Moisés subiu em um monte, e enquanto seus braços estavam erguidos, os israelitas prevaleciam. Mas quando os braços se cansavam e caíam, os amalequitas prevaleciam. Arão e Hur subiram para ajudar os braços de Moisés até o pôr do sol, e Israel foi vitorioso.

O povo tinha visto Deus fazer algo incrível, coisas milagrosas. E agora por causa do medo, eles tinham se esquecido de tudo o que Deus tinha feito. Eles estavam tão oprimidos pelo medo que só pensavam neles mesmo. Amigos; é o que o medo faz. Ele nos faz esquecer o poder de Deus. Nós nos concentramos em nossos problemas ao invés de nos concentrar no poder de Deus. O salmista disse no Salmo 121:1-2-"Elevo os meus olhos para os montes, de onde me virá o socorro. O meu socorro vem Senhor, que fez o céu e a terra". Amigos, temos a maior ajuda possível à nossa disposição! Por que, então ficamos com medo? O salmista declarou, "O Senhor é minha luz e a minha salvação, de quem terei medo? O Senhor é à força da minha vida, de quem terei medo? Quando os malvados, meus adversários e meus inimigos, investiram contra mim, para comerem as minhas carnes, tropeçaram e caíram.  Ainda que um exército me cercasse o meu coração não temeria; ainda que a guerra se levantasse contra mim, nele confiaria. Uma coisa pedi ao Senhor e a buscarei:, que possa morar na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a formosura do Senhor e aprender no seu templo. Porque no dia da adversidade me esconderá no seu pavilhão; no oculto do seu tabernáculo me esconderá; pôr-me-a sobre uma rocha". (Salmos 27:1-5). O salmista percebeu, "Esta luz nunca pode ser extinta pelo homem, o Senhor é a minha salvação, minha proteção, meu escudo, e a minha defesa, de quem então eu deveria ter medo? Amados, isso é algo que você precisa perceber também! 
B. Nós nos esquecemos da provisão de Deus. Eles tinham visto cair comida do céu e fluir água das rochas. Deus tinha sustentado os por quarenta anos de peregrinação no deserto. Nunca houve uma necessidade que Deus não supriu. E ainda com medo, eles esqueceram a provisão de Deus. Amados, eu quero que estejamos conscientes hoje do quanto somos abençoados por Deus. Não podemos deixar que o medo nos faça esquecer as bênçãos de Deus para nós. Devemos usar os nossos medos para nos motivar a realizar grandes coisas para o Senhor. Deus ainda faz grandes coisas. Ele ainda faz milagres! A Bíblia nos promete em Filipenses 4:19 - "O meu Deus suprirá todas as vossas necessidades segundo a sua riquezas em glória em Cristo Jesus".

O MEDO NOS FAZ OLHAR PARA TRÁS AO INVÉS DE PROGREDIR, O MEDO NOS FAZ VIVER em condição ou estado de limitação e ...

III. O medo nos faz viver divididos no amor e nas amizades. Números 14:5-9

-"Então, Moisés e Arão caíram sobre seus rostos perante todo o ajuntamento dos filhos de Israel. E Josué, filho de Nun, e Calebe, filho de Jefoné, dos que espiaram a terra, rasgaram as suas vestes. E falaram a toda a congregação dos filhos de Israel, dizendo: A terra pelo meio da qual passamos a espiar é terra muito boa. Se o Senhor se agradar de nós, então, nos porá nesta terra e no-la dará, terra que mana leite e mel. Tão somente não sejais rebeldes contra o Senhor e não temais o povo desta terra, porquanto são eles nosso pão; retirou-se deles o seu amparo, e o Senhor é conosco; não os temais". 
A. As consequências do medo.
Divisão: As pessoas estavam divididas, o verso10 nos diz que eles inclusive estavam considerando apedrejar Josué e Calebe por seguir o desejo de tentar tomar a terra. O que causou essa divisão? MEDO. Josué e Calebe desejavam apoderar-se das promessas de Deus, mas as pessoas estavam tão temerosas que não podiam acreditar que eles eram capazes de assegurar a promessa de Deus. O medo provoca Divisão. 
Desconfiança. Quando estamos com medo à tendência é ter desconfiança. Nós ficamos céticos das opiniões dos outros e duvidamos dos motivos dos outros. 
Desunião.  O medo divide, mas o ardente amor une. 
Deslealdade. O medo nos faz perder o respeito e a consideração pelos outros que não compartilham de nosso medo. 
B. Causas da divisão. O medo causa divisão nos relacionamentos. O medo causa a divisão em casamentos, amizades, e no nosso ambiente de trabalho. Amados, é hora de nós trocarmos o medo pela coragem. Nosso casamento depende dela. Não podemos viver com medo do que poderia acontecer. Nossas amizades dependem dela. Eu quero também te dizer esta noite que nossa saúde espiritual depende também de trocar o medo pela coragem e enfocar o melhor de Deus para nós. Nós nunca iremos chegar a grandes alturas para o Senhor se estamos constantemente vivendo com medo de onde sua vontade pode nos levar. "A vontade de Deus nunca irá levá-lo onde a graça de Deus não pode mantê-lo". Devemos simplesmente amar o Senhor e deixar Ele nos levar onde Ele quer.

O MEDO NOS FAZ OLHAR PARA TRÁS AO INVÉS DE PROGREDIR, O MEDO NOS FAZ VIVER COM LIMITADAS BÊNÇÃOS EM VEZ DA FÉ, O MEDO NOS FAZ VIVER COM DIVISÃO NO AMOR E AMIZADES, e finalmente...

IV. O medo nos faz esquecer o plano de Deus para nós. Números 14:3

"E por que nos traz o Senhor a esta terra, para cairmos à espada e para que nossas mulheres e nossas crianças sejam por presa? Não seria melhor voltarmos ao Egito”? A. O medo; cega.O povo permitiu o medo levá-los a esquecer o plano de Deus. Eles perguntam no verso 3 por que o Senhor lhes trouxe a este ponto apenas para deixá-los cair à espada. Eles reconheceram que Deus os levou até ali. Mas o medo os levou a deixarem de lado a fé na promessa de Deus e substituí-lo com a mentira de que eles não eram capazes de tomar a terra que Deus tinha prometido. 
B. O medo amarra. O medo é uma das ferramentas favoritas do diabo. Ele usa o medo para nos impedir de seguir e fazer a vontade de Deus para nossas vidas. Amados, Deus não é o Deus do medo. Satanás é o autor do medo. Seu desejo é manter-nos com medo porque assim nós não vamos seguir e fazer a vontade de Deus. II Timóteo 1:7 diz-nos "Porque Deusnão nos deu o espírito de temor, mas de poder, de amor, e de moderação". Amados, Deus nos deu um espírito de poder, amor e autodisciplina. 
Deixe-me perguntar, "Você se sente como se tem o espírito de poder ou espírito de medo? Você se sente como tem o espírito de amor ou espírito de medo? Você se sente como tem um espírito de autodisciplina? Deus tem grandes planos para sua vida e para a minha vida também. Não podemos deixar que a mentira do medo impeça estes planos! Os planos de Deus nos levarão a lugares que nunca poderíamos ter imaginado. Mas o medo é o nosso maior obstáculo.

Conclusão: Recentemente, assisti uma notícia sobre dois bombeiros que perderam suas vidas em um incêndio. A história foi trágica. Aqueles homens foram mortos ao fazer o que eles foram treinados para fazer. Eles são treinados para entrar em um prédio que está pegando fogo. Eu não sei você, mas eu sou treinado para fugir de um prédio que está pegando fogo. Os bombeiros consideram como sua missão de correr para um prédio em chamas para certificar que todos estão fora de perigo. E eles não têm medo. Por quê? Porque suas mentes estão fixas em sua missão. Se eles estivessem pensando apenas em si mesmos nunca iriam para aqueles edifícios. Eles têm que se concentrar em seu propósito. 

O medo nos impede de alcançar nosso propósito. Deus tem um plano e um propósito para cada um de nós. Nós não devemos deixar que o medo esteja entre nós e os propósitos de Deus. Devemos manter os olhos fixos em nossa missão. Devemos manter nossos olhos em Deus! Com o poder de Deus, não há realmente nada a temer!

 


                           A vida cristã pura e simples

Gálatas 2.20

Por 

                             A VIDA CRISTÃ PURA E SIMPLES

Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim.

Cristãos! Será?

A população brasileira é majoritariamente cristã; estima-se 87% — dos quais, 64,6% (cerca de 123 milhões) declaram-se católicos apostólicos romanos e 22,2% (cerca de 42,3 milhões) declaram-se evangélicos (tradicionais, pentecostais e neopentecostais).

O Censo do IBGE revelou que, em 10 anos, o número de pessoas que se declaram evangélicas no Brasil aumentou 61,45%; isto é: de cerca de 26,2 milhões que se diziam evangélicos (15,4%) em 2000 para cerca de 42,3 milhões (22,2%) em 2010. Com base nesses números, o sociólogo cristão Paul Freston apontou que “o Brasil é a capital mundial do pentecostalismo”.

Realmente, os números do IBGE apontam que somos um país majoritariamente cristão, com os evangélicos em franca expansão. No entanto, será que, biblicamente falando, somos de fato cristãos? Crescer sem consciência é seguir rumo ao caos e expandir sem consistência é semear ervas daninhas. Escrevendo para a revista Ultimato (Mar-Abr 2009), Paul Freston fez uma declaração contundente:

A religião evangélica está virando uma religião de massas no Brasil. E o que sempre acontece com as religiões de massas é que elas passam a se parecer cada vez mais com a sociedade. Em vez de transformar a sociedade, a religião é transformada pela sociedade.

Ao apresentar a “receita” do sucesso para os evangélicos brasileiros, o sociólogo (que também é cristão) destacou os principais problemas que nós cristãos evangélicos enfrentamos: perdemos a espiritualidade cristã clássica (pragmatismo); o domínio próprio (dinheiro, sexo e poder); a fé reformada (doutrina e cosmovisão — Somente a Escritura, Somente Cristo, Somente a Graça, Somente a Fé e Somente a Deus Glória); perdemos os modelos bíblicos de liderança (“ídolos” evangélicos); e perdemos a teologia dos dons para a edificação da igreja (serviço); ou seja, será mesmo que essa massa é cristã?

A vida cristã pura e simples

Diante dessa triste realidade e depois de tantos testemunhos edificantes de fé e dos batismos, permitam-me apresentar para vocês um resumo do que a Escritura diz ser a vida cristã. O texto de Paulo, que lemos no início, é a melhor síntese sobre o tema em toda a Bíblia. Nele nós encontramos a vida cristã pura e simples:

Gl 2.20 | Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim.

Depois de Jesus, Paulo é a figura mais importante do cristianismo. Além de discípulo de Cristo, ele é o principal defensor e divulgador da fé cristã. Muito do que sabemos sobre o cristianismo nós devemos ao ex-fariseu de Tarso. Ele escreveu metade dos livros do Novo Testamento. O que ele pregava e ensinava estava tão intrinsecamente relacionado com o que ele vivia que ele podia afirmar coisas do tipo:

1Co 11.1 | Sejam meus imitadores, como eu sou imitador de Cristo.

Fl 3.17 | Irmãos, sejam meus imitadores e aprendam com aqueles que seguem nosso exemplo.

Que ensino era esse que Paulo defendia, divulgava e destilava pelos poros de seu viver diário? O nosso texto apresenta um resumo do que governava a sua vida e do que ele pregava. Em outras Palavras, em Gálatas 2.20, Paulo descreve a vida cristã pura e simples. 

1. A descrição da vida cristã

Fui crucificado com Cristo; assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim.

Paulo descreve a vida cristã em duas dimensões: morte e vida. Morte: “Fui crucificado com Cristo”. Vida: “Cristo vive em mim”. O que ele quer dizer com isto?

“Fui crucificado com Cristo”

O que significa estar crucificado com Cristo? A resposta óbvia: nós morremos com Cristo. Morremos para a Lei (Gl 2.19), para o pecado (Rm 6.2) e para nós mesmos (Gl 2.20). O verbo “crucificar” está no tempo passado perfeito, na voz passiva e no modo indicativo.

Haverá sim momentos em que deveremos crucificar a carne (mortificar os nossos desejos), mas isto só será possível porque nós já estamos crucificados com Cristo; nós já nos identificamos com ele na morte pelo batismo, e isso nos dá forças para vencer o pecado. Observe o que Paulo disse, ao escrever para os romanos:

Nós estamos crucificados com Cristo: a Lei já não nos condena, pois Cristo a cumpriu no próprio corpo (Gl 2.19); o pecado já não nos dominga, pois estamos mortos; e os nossos desejos já não nos escravizam mais, pois somos de outro Senhor. Isso nos leva à segunda dimensão da descrição que Paulo faz da vida cristã.

“Cristo vive em mim”

Cristo vive em nós pelo seu Espírito (Jo 14.15-17). O Espírito Santo em nós nos permite viver em novidade de vida (Rm 8.9-11).

2. A dinâmica da vida cristã

A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus.

Contrário do que se pensa, morrer com Cristo, morrer para nós mesmos, é sinônimo de vida de verdade. A vida não começa quando aprendemos a desfrutar a vida, seja aos 30, 40, 50 (Época, 12/11/12). A vida começa quando morremos com Cristo, e Cristo passa a viver em nós pelo seu Espírito. Isso sim é vida em abundância (Jo 10.10).

A vida em Cristo ainda é a vida “no corpo”; ou seja: continuaremos sendo quem nós somos, com todas as vantagens e desvantagens dessa realidade terrena, mas em processo de transformação (em nós e em nosso contexto através de nós). Mas, como?

Devemos viver essa vida “no corpo” da seguinte maneira: “pela fé no filho de Deus”. Vivemos das promessas da Palavra de Deus; não mais pelas mentiras do mundo, do diabo e do pecado que habita em nós, mas pelas promessas de Deus, no poder do Espírito.

3. A demanda da vida cristã

Paulo descreve a vida cristã como sendo: estar crucificado com Cristo para deixar Cristo viver em nós. A dinâmica dessa vida se dá em nosso corpo, lutando para nos conformarmos à imagem de Cristo, vivendo pela fé e no poder do filho de Deus. Mas, qual é a razão de ser desta vida? Qual é o propósito de existirmos?

O apóstolo termina esse versículo onde tudo começa na história da salvação — [O Filho de Deus] me amou e se entregou por mim (Gl 2.20).

Perceba que é o amor de Deus que o motiva a planejar a nossa salvação, na mesma medida em que esse amor nos incita a louvá-lo por tão gloriosa graça — essa de nos amar e nos adotar em Cristo.

Portanto, ao declarar que Cristo nos amou e a si mesmo se entregou por nós, Paulo quer informar a nossa mente e inflamar o nosso coração. Ao nos informar sobre o maravilhoso plano da salvação de Deus, Paulo nos incita a adorar a Deus. Ficamos mais maravilhados ainda quando refletimos sobre o que está envolvido nisso tudo. Observe:

A identidade de quem ama: O “Filho de Deus”. A identidade de quem nos ama torna maior ou menor a qualidade do amor. A atividade do amor: “Se entregou por mim”. A medida do amor de alguém por nós está na dimensão de suas atitudes por nós. O perfil de quem é amado: Paulo, o principal dos pecadores, perseguidor da Igreja. Por isso que o amor de Cristo o constrange.

Em resumo: a vida cristã faz de nós adoradores da gloriosa graça de Deus.

Fonte: sibgoiania

 


            A nova forma de ecumenismo

Por UBIRAJARA CRESPO 

 

Postado em 27/02/2018

                             Grupos maiores oferecem uma marca supervisionada e engolem grupos menores, que apresentam um novo logotipo, novas cores e uma mesma técnica litúrgica. (Imagem: outlookafghanistan.net) 

O ecumenismo prega uma unidade entre instituições religiosas, como se fossem elas as representantes de Deus. Se o fosse não discordariam em nada. Jesus prega uma ligação entre pessoas.

O catolicismo é extremamente institucionalizado. Tudo gira em torno de Roma, onde está, para eles, o representante de Cristo.

Este tipo de religiosidade já invadiu algumas Igrejas evangélicas, colocando, em cada uma delas, o seu papa. É possível, que se fizessemos uma contagem de quantos papas foram criados pelo Gueto evangélico durante os últimos, o seu número ultrapassaria, em muito, o número de todos os papas já existentes na Igreja Católica.

Só lhes damos nomes diferentes, mas a centralização é praticamente a mesma. Muitos são famosos empresários religiosos, donos de Instituições cuja finalidade é comercializar um produto ao qual chamam de Jesus Cristo.

Seus membros não estão ligados espiritualmente, e o método mais utilizado para o seu crescimento é a fagocitose. Grupos maiores, oferecem uma marca supervisionada e engolem grupos menores, que apresentam um novo logotipo, novas cores e uma mesma técnica litúrgica.

Acontece que, a exemplo do que acontece na esfera secular com as empresas, o Itaú engoliu o Unibanco. As pessoas, que ali trabalham, porém não estão ligadas entre si, não de coração, mas apenas funcionalmente. O seu compromisso é apenas com a instituição e não espiritual.

Jesus não forma ligações institucionais, ele forma ligações dentro do seu Corpo, esteja ele onde estiver. Um membro diretamente com outro e não via denominação. "Há um só mediador entre Deus e os homens: Jesus Cristo..."

A Igreja forma um organismo vivo, que não necessita de papel, impressora ou contrato civil. Isso, necessariamente, não quer dizer que não se deve registrar um grupo no cartório.

Mas, institucionalização da Igreja pode fagocitar nossa individualidade, controlar, subjugar, programar mentes. É o chamado pensamento coletivo. Cria autômatos com a mesma cara, voz, gestos e objetivos. Isto rouba a nossa individualidade. Este é o tipo de mundo que o Anticristo deseja construir.

Apocalipse 13 e 14 mostra isso.

 

 

Fonte: guiame 


                                     Corrida Para a Vitória

                              

Qual é o maior sonho de um atleta? Ser o vencedor e subir no pódio! Não creio que exista algum atleta que não tenha esse sonho. Mas para chegar lá há um longo caminho a seguir. Ninguém nasce vencedor. Essa caminhada envolve muito esforço e dedicação.

Numa competição há muitos atletas, mas um só será o vencedor: aquele que conseguir ter a melhor performance de todos os concorrentes na sua modalidade. O atleta precisa, em primeiro lugar, ter o alvo bem focado e observar todas as regras. Nada pode tirar essa concentração. Qualquer deslize pode ser fatal. Fatores importantes a serem observados são: alimentação, descanso, preparo físico, treino, muita vontade de vencer, etc... Isso não é fácil e há muitos obstáculos a serem vencidos. Quantos atletas já sucumbiram por algum detalhe.

A grande verdade é que nossa vida também é uma corrida. A diferença é que essa corrida não é só para um vencedor, mas todos podem vencer. E todos que vencerem receberão um prêmio muito superior ao que um atleta pode ganhar numa competição. A Bíblia diz em 1 Coríntios 9.24-25: “Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para a alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível”. No que consiste essa corrida e qual é a vitória? O apóstolo Paulo diz em Filipenses 3.7-10: “Mas o que, para mim, era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo. Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo e ser achado nele, não tendo justiça própria, que procede de lei, senão a que é mediante a fé em Cristo... para o conhecer, e o poder da sua ressurreição...” Ele nos mostra que vale a pena correr, mas que deve ser da maneira certa. Não por força própria, por boas obras, mas sim pela fé em Cristo. Também afirma em Filipenses 3.12: “Não que eu o tenha já recebido ou tenha já obtido a perfeição; mas prossigo para conquistar aquilo para o que também fui conquistado por Cristo Jesus”. Em outras palavras: não estamos correndo sozinhos e não somos os primeiros. Jesus Cristo já correu e venceu por nós quando deu Sua vida na cruz. Ali ele conquistou o prêmio da vida eterna para nós.

Talvez você seja como um atleta que corre sem rumo ou fora das regras da competição. Neste exato momento você tem a oportunidade de mudar. Entregue sua vida a Jesus, inscreva-se em Sua equipe, corra com os recursos que Ele providenciou para você, e Ele transformará a sua vida, e lhe dará o prêmio da vida eterna. Deus quer que você vença! Lemos em João 10.10: “Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância”. Para conhecer mais do amor de Jesus e tudo que Ele fez por você, leia a Bíblia!

Fonte: http://www.chamada.com.br/mensagens 


    Jesus, o Páo da Vida que desceu do céu

Por Israel do Nascimento Silva

                                      Resultado de imagem para imagens de jesus, o pão da vida 

"Eu sou o da vida, o pão descido dos céus". Lindas, sábias e transformadoras palavras de Jesus. Neste episódio o mestre demonstra sua elevada capacidade intelectual. Jesus era extremamente inteligente.

O Pão da Vida em seu discurso, vai pouco a pouco, tentando iluminar os pensamentos dos ouvintes que não compreendiam o elevado significado da sua mensagem.

Após o mestre ter chegado à região de Cafarnaum, vindo da multiplicação dos pães e peixes logo foi encontrado e seguido por uma multidão.

O texto do livro de João, cap. 6 versos 22 em diante, mostra que eram as mesmas pessoas que presenciaram e comeram da multiplicação dos pães e dos peixes.

Ao ser interrogado sobre sua chegada à Cafarnaum, Jesus, o Pão do Céu, entende que eles o buscavam por causa do benefício cômodo e passageiro, fartura de alimentação boa e gratuita. 

Ao serem exortados a buscar o Pão espiritual, duradouro e eterno, eles, que haviam sido testemunhas oculares daquela grande manifestação de poder e graça, tentam desprezar e diminuir o milagre que o Pão da Vida realizou, dizendo que os seus pais haviam presenciado um sinal maior, o Maná no deserto.

                       O Pão da Vida e o maná no deserto

"Nossos pais comeram o maná no deserto, como está escrito: Deu-lhes a comer o pão do céu." João 6:31

De fato, no passado, os Israelitas comeram do Maná no deserto. Após a travessia do Mar Vermelho, Moisés e o povo seguiram em direção à terra prometida, entrando no deserto de Sur, que compreende toda a área desértica entre o Egito e a terra de Canaã.

E quando sua provisão de água estava acabando, após três dias de caminhada, chegaram em Mara, onde as águas amargas tornaram-se potáveis.

Dali chegaram a Elim, um oásis com doze fontes de água e setenta palmeiras. E acamparam junto das águas. E partindo, chegaram ao deserto de Sim. E as provisões que tinham trazido do Egito, tinham acabado. Então Deus fez chover o Pão do Céu.

E ordenou que cada um recolhesse um ômer (cerca de 3,7 litros). Durante quarenta anos, Deus os sustentou com o Maná, o pão do céu. E foi um sinal tremendo da provisão divina.

 

A multidão porém, não entendeu o significado das palavras do Pão da Vida. Só viam nos milagres meras ações deslumbrantes e um meio de satisfação egoísta de seus interesses materiais.

"Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo." João 6:51

Não puderam enxergar a natureza divina e espiritual de que o Pão da Vida falava. O mestre estava a ensinar sobre a natureza humana, que é composta de espírito, alma e corpo. Assim, o espírito deve ter o controle do corpo. Isso se dá pela muita prática das boas obras, com a ajuda da graça de Deus. Este é o chamado homem espiritual.

Mas quando o homem se deixa dominar por suas paixões sem regras, os seus desejos pecaminosos predominam sobre o espírito. Daí temos o homem carnal, materialista que está voltado para apenas o que é imediato, visível, palpável que esse plano chamado realidade pode mostrar.

Assim estavam os homens daquela multidão. Seus horizontes não conseguiam ver a "realidade em três dimensões". Somente respondendo a instintos, fome, sede material, observavam tudo em um só plano. Possuídos com que por uma miopía espiritual, eram incapazes de enxergar a verdade que Jesus falava.

"E diziam: Não é este Jesus, o filho de José, cujo pai e mãe nós conhecemos? Como, pois, diz ele: Desci do céu?" João 6:42

O mestre explicava que o maná do deserto foi um alimento perecível, que sustentou apenas a vida corporal, mas as suas palavras eram o alimento incorruptível, que dá a vida eterna, o Pão da Vida.

E Jesus se declara o novo Maná, o verdadeiro Pão da Vida Descido do Céu.

"Este é o pão que desceu do céu; não é o caso de vossos pais, que comeram o maná e morreram; quem comer este pão viverá para sempre." João 6:58

Mas eles insistiam e procuravam saber se havia algo que pudessem fazer para herdar o Reino de Deus. "Que faremos para executarmos as obras de Deus?"(Jo 6.28), ou seja, que obras em particular mais agradam a Deus?

Uma típica pergunta dos fariseus, cuja contínua preocupação era: com que ação meritória - jejum, sacrifício, orações - poderiam obter do céu, um certo favor?

A visão deles estava voltada para o exterior do corpo, em detrimento do interior. Mas o Pão da Vida mostra que não há méritos. É pela graça e não por sacrifícios humanos.

"A obra de Deus é esta: Que creiais naquele que ele enviou." João 6:29

Acolher com fé, crer e confiar nas palavras de Jesus e aceitar a sua graça e a sua misericórdia é o ato mais meritório que devemos observar.

O pão da vida foi um dia partido por nós. A sua carne foi rasgada na cruz do calvário em favor de muitos. Assim como no princípio, a morte entrou no mundo por se comer o fruto proibido, assim também a vida eterna é alcançada ao se comer do corpo e do sangue de Cristo.

Hoje esse pão é oferecido. O filho tem a vida em si mesmo. Quem dele comer, nunca morrerá.

"Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo." Apocalipse 3:20

Fonte: http://www.rudecruz.com 

 


           Andar na presença de Deus

Por Por Mauro Fraga

Postado em 09/02/2018

                                     Resultado de imagem para imagens sobre Abraão andou com Deus

Gn 17:1 diz que “quando atingiu Abrão a idade de noventa e nove anos, apareceu-lhe o SENHOR e disse-lhe: Eu sou o Deus Todo Poderoso; anda na minha presença e sê perfeito.”

Aqui Deus revela a Abrão qual é o caminho da perfeição ! E, todo o que crê em Deus e está buscando conhecê-lo mais, também recebe esta verdade, ou seja, a perfeição está em andar na presença de Deus!

Mas o que é andar na presença de Deus?

Hoje aqui reunidos andamos na presença uns dos outros. Nas nossas casas andamos na presença de nossos familiares. Andar na presença de alguém implica em um tipo de comportamento. Não fazemos o que bem entendemos na presença uns dos outros, pois temos que respeitar o espaço de cada um.

Vejamos o Sl 139:1-12 “SENHOR, tu me sondas e me conheces. Sabes quando me assento e quando me levanto; de longe penetras os meus pensamentos. Esquadrinhas (examinas atentamente) o meu andar e o meu deitar e conheces todos os meus caminhos. Ainda a palavra me não chegou à língua, e tu, SENHOR, já a conheces toda.

Tu me cercas por trás e por diante e sobre mim pões a mão. Tal conhecimento é maravilhoso demais para mim: é sobremodo elevado, não o posso atingir. Para onde me ausentarei do teu Espírito ? Para onde fugirei da tua face? Se subo aos céus, lá estás; se faço a minha cama no mais profundo abismo, lá estás também; se tomo as asas da alvorada e me detenho nos confins dos mares, ainda lá me haverá de guiar a tua mão, e a tua destra me susterá. Se eu digo: as trevas, com efeito,me encobrirão,e a luz ao redor de mim se fará noite, até as próprias trevas não te serão escuras: as trevas e a luz são a mesma coisa.”

Ninguém se esconde de Deus, ninguém consegue fugir de sua presença, Ele está em toda a parte!

Vejamos Fp 4:6 “Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças.

Estar “diante de” é estar na “presença de”.

Quem anda, anda por um caminho. Quem anda na presença de Deus, anda no caminho de Deus.

Os caminhos de Deus, não são os nossos caminhos. Is 55:8 “Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o SENHOR

Vamos ler Jo 15:1-2 “Eu sou a videira verdadeira, e meu pai é o agricultor. Todo ramo que, estando em mim, não der fruto, ele o corta; e todo o que dá fruto limpa, para que produza mais fruto ainda.”

Deus cuida da videira que é Jesus, se estivermos na videira, Deus cuidará de nós também! O fruto vem pra quem está na videira, é na videira que há vida; eu não posso sair da videira e tentar fazer as coisas movido pelo meu jeito, pelas minhas emoções, pelo que eu acho que é justo como se eu fosse um galho que pode viver sozinho; porque o meu caminho não é o caminho de Deus; o meu caminho me leva ao stress, ao cansaço, a morte; se eu estou na videira eu tenho esperança, se eu pecar Deus me limpa e eu vou produzir mais fruto.

Vejamos Mc 5:25-34 “Aconteceu que certa mulher, que, havia doze anos, vinha sofrendo de uma hemorragia e muito padecera à mão de vários médicos, tendo despendido tudo quanto possuía, sem, contudo, nada aproveitar, antes, pelo contrário, indo a pior, tendo ouvido a fama de Jesus, vindo por trás dele, por entre a multidão, tocou-lhe a veste. Porque, dizia: Se eu apenas lhe tocar as vestes, ficarei curada. E logo se lhe estancou a hemorragia, e sentiu no corpo estar curada do seu flagelo. Jesus, reconhecendo imediatamente que dele saíra poder, virando-se no meio da multidão, perguntou: Quem me tocou nas vestes ? Responderam-lhe sues discípulos: Vês que a multidão te aperta e dizes: Quem me tocou? Ele, porém, olhava ao redor para ver quem fizera isto. Então, a mulher, atemorizada e tremendo, cônscia do que nela se operara, veio, prostrou-se diante dele e declarou-lhe toda a verdade. E ele lhe disse: Filha, a tua fé te salvou; vai-te em paz e fica livre do teu mal.”

Jesus tinha poder, virtude do Espírito Santo para manifestar porque buscava a presença de Deus! Lc 6:12 “Naqueles dias, retirou-se para o monte, a fim de orar, e passou a noite orando a Deus.”

Jesus não passava a noite orando para recarregar baterias que iriam descarregar durante o dia, porque ele permanecia na presença de Deus em tudo o que fazia. A mulher que foi curada da hemorragia encontrou Jesus quando ele se deslocava para casa de Jairo afim de orar pela filha dele.

Onde Jesus passava multidões eram curadas, libertas de opressão demoníaca, milagres aconteciam, etc. Preciso aprender a ser como Jesus! Não posso começar o meu dia orando 5 min e depois sair sem o Senhor, deixando Ele fechado na minha casa; o meu tempo de oração é o momento em que dou mão para Ele e não solto mais, pois Ele vai conduzir o meu dia.

Preciso crer nisso. Não tenho que sentir a presença de Deus comigo. Ele está em mim, minha vida pertence a Ele. Então eu vou orar, vou dar a mão ao meu Senhor e vou trabalhar, vou arrumar a minha casa, vou cuidar dos meus filhos e do meu marido, vou cuidar dos meus filhos e da minha esposa, vou cuidar dos meus pais e dos meus irmãos, vou no supermercado, vou ao cinema, vou a escola e em todos os lugares onde eu passar a glória de deus vai se manifestar porque o Espírito de deus está em mim.

Lc 4:18-19 “O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para por em liberdade os oprimidos, e apregoar o ano aceitável do Senhor.”

 

Fonte: http://pregacaocrista.com